Bem-vind@ à minha casa virtual!

Este espaço é um sótão da minha alma, onde partilharei tudo o que normalmente acabaria morto no fundo de uma gaveta: trabalhos, pensamentos e hobbies. Numa era em que as redes sociais estão na moda, programei e desenhei este website como homenagem às homepages e blogs pessoais dos anos 90, pelos quais sempre tive fascínio. A secção CV é a mais desinteressante: divulgação da parte profissional. O Portfólio é uma gaveta de vidro onde partilharei as criações ao longo da vida (websites, videojogos, software, poemas, textos, fotos, músicas, vídeos, trabalhos em madeira, etc.). No topo da página atualizarei, de tempos a tempos, uma playlist com seleção de bandas sonoras. Na galeria de fotos partilharei stock-photos, álbuns conceptuais e pessoais para mais tarde recordar. O Blog é a zona viva do website que ligará tudo o resto, nele partilharei o que a vontade mandar. Esta página de entrada é apenas um resumo das entranhas do website e do autor, serve como panorâmica dos temas que poderei vir a partilhar.


Sobre mim

Adoro: computadores, cinema, anime/manga, séries, música, livros, rios, pássaros, natureza, videojogos, nuvens, montanhas, animais, fotografia, acordar tarde, batatas fritas e piza, passar o dia inteiro em casa de pijama, aprender coisas novas, jogos de tabuleiro, filosofias orientais, ping pong, bushcraft, micologia, identificar plantas selvagens, web design, linguagens de programação, instrumentos musicais, madeira, etc.

Odeio: multidões, supermercados, políticos, padres, burocracia, dogmas, touradas, mosquitos, discotecas, conhecer pessoas novas assusta-me, barulho, trânsito, títulos sociais (Dr. Prof., Eng. etc.), acordar cedo, arrumar a casa, eventos sociais, silêncios constrangedores, música pimba, ignorância, etc.

Pessoas que admiro: Fernando Pessoa, Leonardo da Vinci, Franz Kafka, Nikola Tesla, Kahlil Gibran, Vincent van Gogh, Gautama Buddha, Osho, Lev Tolstoy, Beethoven, Sócrates, Platão, George Carlin, Diógenes, Alan Watts, Friedrich Nietzsche, Jiddu Krishnamurti, etc. Não digo irmãos e amigos de infância porque assim ninguém os aturava.

Sonhos/utopias: viver algures numa casa de madeira perto de uma floresta, montanha e rio como freelancer, sobrevivendo da minha criatividade (daí este website, como semente desse sonho); ser escritor e publicar livros de ficção e poesia; escrever guiões e realizar um filme ou curta-metragem; programar e desenhar videojogos indie; esboçar maquete de um álbum musical (cantar está fora de questão); ter experiências espirituais, encontrar a verdade, o nirvana ou moksha, conhecer-me, crescer, adquirir cada vez mais sabedoria e descobrir os mistérios do universo; a minha maior utopia é ter uma alma, não ser apenas um robô de carne e osso, que a vida continue de alguma forma depois de morrer - se assim não for, existir não tem muito sentido e é uma piada de mau gosto; etc. PS: eu sei que não realizarei um décimo destas utopias e soa infantil, mas para mim a vida sem elas não tem sentido algum, sonhar é como a história do burro com uma cenoura atada à frente da testa, correndo rumo ao pôr-do-sol, em direção a um precipício - mesmo que nunca cumpra nenhum destes sonhos não faz mal, correr rumo ao precipício já é meia realização.

Personalidade: Capricórnio com ascendente Peixe na astrologia, INFP no teste de psicologia MBTI - não gosto de astrologia nem de psicologia por me fazerem sentir um robô de carne e osso pré-programado e porque não acredito que a essência humana possa ser categorizada dentro de caixas pré-definidas, mas sou um cético com mente aberta a todas as possibilidades - coincidência ou não identifico-me 99% com a descrição em ambos e ironicamente dizem coisas similares, resumo da história: pareço um extraterrestre com fachada fechada, distante e aparentemente lógico, mas sou um dos espécimes alienígenas mais empático e aluado no universo com dois pés na lua mas os sapatos na terra. Introvertido desde o berço, multidões e eventos sociais drenam-me as baterias e o sossego, coisas nerdescas recarregam-nas. Alguma ansiedade social, junto de multidões sinto-me como se estivesse sozinho no meio de uma selva de noite, rodeado de animais selvagens que podem atacar a qualquer momento. 90% das pessoas no planeta ou me assustam ou me aborrecem, mas embora goste de estar só não gosto de solidão. Sou muito distraído e dou-me pessimamente com o relógio e pontualidade. Sempre me senti inteligente na maior parte das áreas, mas um asno em social skills - ao criar o meu personagem no RPG da vida devo ter usado todos os pontos para maximizar as outras áreas mas poupado nessa. I overthink a lot, thats half of the cause of poor social skills: "porquê sair às sextas à noite e ir para onde vão todos os outros para o meio da confusão e barulho?"; "porquê dar presentes no natal por lavagem cerebral, alimentando o consumismo, quando no resto do ano estão muito mais baratos?"; "porquê usar gravata quando é um pedaço de tecido inútil?"; "porquê ir para a praia no verão, apenas porque todos o fazem, quando vão estar todos ao monte e a praia estaria muito mais bonita e livre só para mim no inverno?" etc. - a minha mente não se dá bem com normas sociais e costumo ir na direção oposta das massas.

Idealismos: Autodidata e polímata das coisas da vida com aspiração a escritor, poeta e sannyasin (busca pela verdade). Espiritualista mas anti instituições religiosas e dogmas - interesso-me por todas as religiões no mundo, considero que todas dizem o mesmo por palavras diferentes mas corrompidas e deturpadas pela humanidade ao longo dos séculso, por isso não sigo nenhuma em particular. Gosto de ler sobre estes temas e filosofia, um quarto da minha micro-biblioteca é sobre isso. Tentei estudar e experimentar um pouco das principais religiões e correntes (Reiki, Yoga, Budismo, Espiritismo, Taoismo, forçado no catolicismo em pequeno pelos pais mas cedo fugi dele, etc.), no entanto, embora tivesse experiências interessantes, nunca encontrei a verdade das coisas e afastei-me de tudo o que tenha mão humana. Gosto especialmente das filosofias Budistas e Taoistas, mas não tenho religião e sou contra dogmas e instituições. Socialmente considero-me agnóstico não praticante, é a resposta que dou sempre ao tema - considero que é a única resposta racional possível ("só sei que nada sei"), pois não tenho provas quer da existência ou não existência de algo. Embora esteja em território neutro e cada vez mais desiludido com as coisas dos deuses, faço figas e tento acreditar que eu exista para lá do corpo, caso contrário existir seria uma piada de mau gosto e não valeria a pena.

Nunca segui partidos, parece-me tudo uma infantilidade, uma manipulação de massas e massagem a egos - se os homens fossem perfeitos não precisavam de governantes como cães com trela para não morder, seres moralmente perfeitos nunca precisariam de governantes e leis a servir de açaime. A auto-consciência, paz e amor são a minha política e bússola guia. No entanto compreendo que a humanidade ainda é muito imperfeita, a maior parte dos seres humanos são crianças selvagens e inconscientes no âmago da sua alma, precisam de açaimes para não morder, templates sociais para não cairem em crises existenciais e trelas para os guiar, por essa razão a política, tribunais e leis têm o seu papel para essas pessoas e mundo contemporâneo, pelo menos até ao dia (distante e utópico) em que a humanidade atingir a maioridade.

Profissional: Sempre quis ser tudo no âmbito profissional, não suporto a ideia de estar preso a apenas um título profissional. Neste momento, em termos práticos e como principal atividade, se me fosse a definir faço a gestão de servidores num Centro de Investigação na Unviersidade do Minho onde sou programador (Python & Rust FTW com NodeJS à mistura) e designer web. Em paralelo, no tempo livre, sou investigador (Linguística Computacional principalmente) e programo rabiscos de Indie Games (Godot Engine FTW), mas sonho morrer escritor numa fase final da vida. Até lá aspiro a indie game developer. Interesse crescente por guionismo e produção cinematográfica, produzir algo para cinema seria outro grande sonho. Nos intervalos da vida alguns hobbies são: fotografia, bushcraft, meditação, identificação de plantas selvagens, micologia e instrumentos musicais (tenho guitarra, teclado, harmónica e flauta - pequeno aprendiz muito verde). Estudei Línguas e Literaturas Europeias (Português-Inglês), espreitei o 1º ano da licenciatura em Filosofia (que desejo retomar quando for velhote e tiver mais tempo livre), saltei para o mestrado em Literatura e Cinema, mas ironicamente acabei por trabalhar na área que aprendi fora dos canudos como autodidata ainda em adolescente: programador (adoro Web em particular). Recentemente tirei o Mestrado em Engenharia Informática na Universidade do Minho para oficializar, fi-lo não pelo conhecimento mas apenas pelo canudo (portas abertas na vida nunca é demais). Isto reforçou a minha ideologia de longa data sobre a inutilidade dos canudos e sistemas: a única escola de verdade é a vida, para ser ou fazer seja o que for precisamos apenas de livros e liberdade, tudo o resto são jogos sociais inúteis. Desde que me conheço como gente sempre aspirei a aprender um pouco de tudo, irrita-me fazer opções e especializações pois sinto que perco um pedaço do universo sempre que opto por algo e nego as alternativas. Nisso resulta que sou um canivete-suiço enferrujado e inútil: sei muitos conceitos mas não sou mestre em nenhum. Esta filosofia de vida nasceu da paixão por um dos meus grandes ídolos: Leonardo da Vinci - embora eu saiba que sou muito pequeno e nunca serei nada de especial na vida em comparação. Sempre tentei ser autodidata e aprender um pouco de todas as áreas (polímata) apenas pelo puro prazer em aprender. Por essa razão, quando alguém me pergunta o que faço na vida ou o que estudei, fico atrapalhado sem saber bem o que dizer - estudei e faço tanta coisa diferente que não me revejo em nada (posso ter tirado um curso sobre x ou trabalhar no local x, mas isso não é de forma nenhuma reflexo da realidade sobre quem sou).

Ao longo da vida trabalhei (nem todos profissionalmente) como carpinteiro (filho de um), agricultor (filho de uma), mecânico (férias de escola), professor (um semestre na universidade), investigador, técnico de informática, web designer, programador, designer gráfico, tradutor, picheleiro, eletricista e trolha (ajudei a construir a casa dos meus pais entre outra coisas), etc. No entanto é tudo um passatempo para não morrer à fome, planeio morrer como escritor se o passaporte turístico da minha alma neste universo não caducar até lá.



O website já é velhinho com visual obsoleto (foi desenhado em 2010) e não tenho tempo de o remodelar, mas tem alguns easter eggs escondidos (principalmente no cabeçalho - sfx do Duck Hunt algures, cof cof), mas ainda não tive tempo de aplicar metade (um dia juro que programo um mini jogo ativável com vários cliques no espaço, à semelhança do jogo do dinossauro nas páginas "404 not found" do Chrome). Time will tell.

Todo o material exposto pode ser usado gratuitamente, não dou importância a licenças nem copyright (apenas não mintam sobre a autoria). Quase tudo por cá foi programado ou desenhado por mim (algumas exceções, como o gif dos pássaros ou algumas libraries JS para não reinventar a roda), por isso "mi casa es su casa". Embora tenha adaptado o website a vários formatos responsive e esteja completamente à vontade nessa área, a melhor resolução para visualizar a página é 1920x1080. Detesto versões mobile, são versões fast food dos website sem tanta arte e pormenor, por isso como o website é meu e não devo satisfações a ninguém a versão mobile é rasca, não perdi muito tempo. Every time you browse a website in a smartphone or IE a puppy gets a tummy ache!

Poderei escrever algumas vezes em inglês, apenas para desenferrujar e praticar. Se um dia tiver paciência traduzo partes para ficar bilingue ou crio um sistema de tradução automática.

Se leram até este ponto são mesmo corajos@s! Se gostam de testamentos secantes (A.K.A. os temas acima) vamos ser grandes amigos. Sejam bem-vind@s.